domingo, 13 de janeiro de 2013

De Taquaral até aqui - Ôh Minas Gerais quem te conhece não esquece jamais!

As pedras preciosas são matérias minerais sólidas e com grande densidade e pigmentação nas cores : azul, verde, rosa (rubelita) e preta. São encontradas nas profundidades das rochas ou na superfície rasa do solo, formadas a bilhões de anos atrás e usadas como jóias à milhares de anos . 

A extração das pedras preciosas e outros minerais no Povoado de Taquaral/Itinga se deu ainda no início do SEC. XX, mas muito pouco explorada . Foi com a vinda da Sra. Maria Gonçalves Soares (Maria de Amaro) e sua família por volta dos anos de 1953 que se intensificou este tipo de exploração.


Segundo depoimentos da família, a vinda pra essa região se deu com a invasão de garimpeiros em suas terras .Sentido-se decepcionada com o ocorrido,vendeu as terras para uma Companhia Mineradora da época. Foi quando juntamente com seus filhos tomou uma difícil decisão de abandoná-las e ir à procura de um novo lugar para morar, resolveu então, comprar as novas terras,que até então eram do fazendeiro o Sr. Belizário Fulgêncio. Acreditando que ali seria improvável a existência de grandes quantidades de minérios nas novas terras, tiveram uma grande surpresa pois as novas terras adquiridas eram mais ricas em minérios, podendo ser facilmente encontradas em alguns lugares . 


As explorações de pedras preciosas na região não era a principal atividade, pois naquela época eram ainda de baixo valor comercial, predominando a criação de animais e o cultivo da lavoura de subsistência. Com o passar do tempo, a criação dos animais e o cultivo da lavoura foi se tornando cada vez mais difícil, principalmente com a escassez da chuva, cada vez mais agravante e com as descobertas de novas e grandes minas , conseqüentemente a exploração de pedras preciosas se tornou a principal fonte de renda da população local, atraindo garimpeiros e investidores dos mais diversos lugares.

Uma destas minas se tornou internacionalmente conhecida pelas boas qualidades de suas pedras produzidas, conhecida pelo nome de Lavra do Pirineu, descoberta por garimpeiros locais. Tradicionalmente os nomes das lavras desta região são dadas pelos próprios garimpeiros através das diversidades de cada localidade, não é regra, mas na maioria das vezes são nomes criados pelos seus próprios descobridores. Como exemplo temos a lavra do Imbaré, nome dado por ali existir grandes árvores chamadas de Imbaré , da mesma forma a Lavra da Jurema , mas também temos a Lavra da Pinheira, Lavra do Maxixe, Lavra do Urubu, Lavra do Quarto, Lavra da Pitomba, Lavra do Arroz - de - Leite, Lavra da Malva, Lavra do Engano, Lavra de Dona Mariazinha, Lavra do Sr. Hidelbrando, Lavra da Marmita, Lavra do PT, Lavra do Baixão, Lavra da Cruzinha, Lavra da Caixa d'água, Lavra do Boqueirão, Lavra dos Netos, Lavra do Sr. Percílio e etc. Neste álbum vamos conhecer uma dessas Lavras "Imbaré" e conhecer um pouco do dia - a - dia de um garimpeiro de 57 anos que desde aos 12 anos de idade dedica com prazer a lida do garimpo. Na companhia do Sr. Eustáquio Esteves Vieira vamos conhecer um pouco mais, passo - a - passo de como se garimpa este minério tão cobiçado.

Quer saber mais? então me segue!


segunda-feira, 4 de junho de 2012

Turmalina um raro mineral!


Borossilicato com uma fórmula química complexa. D: 7 - 7,5. DR.: 3 - 3,2.
Brilho vítreo, transparente a opaca, existem em mais de cem cores, destacando-se a verde, vermelha, azul, amarela, parda, negra e incolor. Suas substâncias corantes são o cromo, manganês, níquel, cobalto, titânio. Traço branco, fratura concóide a irregular, frágil, não clivável, sensível ao calor.
O nome vem do cingalês turmali, nome dados às gemas que provinham do Ceilão (hoje Sri Lanka). O povo daquele país, desde 1703, já a chamava de “toramalli”, que significa pedra colorida. Nenhuma outra pedra é tão complexa quanto a Turmalina.
As turmalinas, assim como as granadas, são um grupo de gemas que compreende várias espécies, e não uma única espécie com diversas variedades, como é o caso do quartzo.
Entre as características mais marcantes dessas gemas está a grande variedade de cores que apresentam e a grande frequência com que se vêem duas ou mais cores em um mesmo cristal. O quartzo é também rico em cores, mas normalmente cada gema tem uma só delas.
Os cristais colunares e prismáticas das turmalinas podem ter cores diferentes nas duas extremidades e ainda uma terceira cor no centro. Ou podem ter uma cor na parte externa e outras internamente, distribuídas de modo concêntrico. Este é o caso da gema popularmente conhecida como turmalina melancia, que é verde externamente e vermelha ou rosa no centro (fotos abaixo).
Turmalina melancia (Watermelon Tourmaline), fotos Portal das Joias.
A Turmalina é uma pedra piroelétrica: aquecida, desenvolve uma carga estática que atrai poeira e outras partículas leves para a sua superfície, por isso os holandeses chamam a turmalina de “tira-cinza”, usando-a para tirar cinzas do cachimbo. No passado ela era a pedra da sorte para escritores, atores e artistas...
Acha-se em pegmatitos, cristais (trigonais) compridos, prismas trigonais com estrias longitudinais. Das várias espécies que compõem esse grupo, as mais conhecidas são:
  1. a schorlita, de cor preta (turmalinas de cor negra, ou em inglês schorl, são as mais comuns de todas, mas não costumam ser lapidadas)
  2. e a elbaíta - a qual possui a maioria das variedades gemológicas, que recebem nomes de acordo com sua cor:
  • as variedades de cor rosa ou a turmalina rosa avermelhada é conhecida como rubelita (do latim rubellus = avermelhado)
  • de cores azuis ou azuladas indicolita ou indigolita (do grego indikós = índigo)
  • incolores acroítas – a palavra acroíta deriva do grego (a = privado + khroma = cor)
  • a verdelita é verde
  • de cor violeta siberita
  • as de cores pardas dravita
As turmalinas com duas cores são chamadas genericamente de turmalinas bicolores. Das variedades citadas, a rubelita é a mais valiosa, embora costume conter muitas fraturas.
Mas, valiosa mesmo é a variedade conhecida comercialmente como Turmalina Paraíba, descoberta em 1989, no Estado que lhe dá o nome. Tem uma rara cor azul, classificada ora como azul néon, ora como azul elétrico ou ainda azul fluorescente.
Abaixo (lado esquerdo), foto Portal das Joias. Do lado direito, Turmalina Paraíba em albita, foto Companhia das Gemas.
Os cristais de turmalina costumam ter faces curvas e bem estriadas segundo o maior comprimento. Essa morfologia é muito típica do grupo e muito útil na identificação dos cristais no estado bruto. Mas, pode haver turmalinas também com faces planas e sem estrias.
Em 1978, em Minas Gerais, o garimpeiro Jonas de Souza Lima encontrou quatro agregados cristalinos com rubelitas fantásticas. Um, que ele chamou de Flor-de-Lis, tinha 50 kg; outro, o Tarugo, tinha 80 kg; um terceiro, o Foguete, pesou 120 kg e a Joninha, 320 kg.
Localidades: Os maiores produtores de turmalinas são o Brasil, Namíbia (ex-Sudoeste da África) e Estados Unidos. Também são encontradas na República de Madagascar, Urais e Sri Lanka.
Analogias: Signo: Aquário.
No geral desfaz medo e condições negativas, aumenta a sensibilidade, inspiração e compaixão. Grande poder de cura, forças elétricas bem fortes, nivela os relacionamentos e serve de ampliador de pensamentos. É a pedra da proteção, sua energia é benéfica e atrai influências positivas, afasta a inveja e o azar. É interessante ter uma turmalina devidamente energizada sempre por perto.
Alguns afirmam que a turmalina verde - a mais conhecida - atrai prosperidade; a azul, espiritualidade, e a vermelha, entusiasmo e felicidade.
volta ao topo


TURMALINA VERDE (GREEN TOURMALINE) 
Trata-se de uma pedra curativa em todos os sentidos, ela é capaz de purificar e fortalecer o sistema nervoso, capacitando-o a conduzir quantidades maiores de força espiritual. Equilibra todos os níveis. Acalma o cérebro, mente, nervos e ajuda na confiança. Esfregando a pedra, elimina stress. Abre o coração, problemas com o pai são solucionados. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: terra. Chakra: coração.


Turmalina verde (Green Tourmaline), fotos Companhia das Gemas.
       

TURMALINA AZUL – INDICOLITA
Estimula o bom funcionamento do pulmão e revigora os pulmões, ativa a garganta, a laringe e tiróide. Ajuda na insônia, e é usada também para liberar o stress e ativar o sono tranquilo. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Elemento: água. Chakra: laringe. Tarô: O Eremita.

TURMALINA ROSA OU VERMELHA – RUBELITA
Ela é a doadora do amor na esfera material, sua mera presença gera alegria e entusiasmo pela vida. Utilizar a turmalina rosa ou com ela meditar inspirará o coração a livrar-se de mágoas passadas, voltando assim a confiar na força do amor. Revigora o coração, sabedoria, força de vontade, ativa a criatividade a fertilidade, protege o corpo numa exposição demasiada a radiação, atrai amor e amizade. Energia: receptiva. Planeta: Vênus. Chakra: esplênico.

TURMALINA MELANCIA
Nivela a energia yin – yang. Elimina ódios, ciúme, julgamento e aumenta o amor incondicional. Energia: projetiva e receptiva. Planeta: Marte, Vênus. Elemento: fogo e água. Chakra: cardíaco, básico.

TURMALINA PRETA OU NEGRA (BLACK TOURMALINE)
Diz-se que a turmalina negra desvia as energias negativas em vez de absorvê-las. Suas estrias paralelas supostamente ajudam a canalizar os efeitos curativos da energia espiritual de frequência mais alta. Os crentes também usam a pedra quando precisam de proteção paranormal. Não absorve energia negativa, mas a repele, por esta razão sugere-se que as pessoas sempre tragam consigo para sua proteção. Grande poder de cura magneticamente e eletricamente. As pedras pretas são as mais benéficas, ajuda com os sonhos e abstrai pensamentos tornando-os mais reais. Energia: receptiva. Planeta: Saturno. Elemento: terra. Chakra: básico. Tarô: O Diabo.

Turmalina negra (Black Tourmaline)
 
 
Turmalina com quartzo e muscovita, foto Companhia das Gemas.